Header Ads

O SABOR GERMÂNICO DE BLUMENAU

O turista pode não incorporar o sotaque alemão de Blumenau facilmente, mas absorverá o sabor germânico num passeio pelo centro do município, principalmente nos arredores da rua 15 de Novembro --a principal da cidade, onde se encontra boa parte do comércio, além de outras atrações turísticas e culturais.

Inicie a caminhada pelo Biergarten (ou "jardim de cerveja", em português), no início da rua 15 de Novembro. Ali ficam o museu da Cerveja e o restaurante e choperia Biergarten, instalado num local onde já funcionou uma cervejaria. O estabelecimento, além do chope, serve pratos da cozinha típica alemã.

O marreco recheado e os diferentes tipos de lingüiça ainda são as melhores opções do cardápio.

Segundo Gilmar Chisner, gerente do local, em breve começarão a ser servidos pratos da cozinha alemã contemporânea, que incluem peixe e frutos do mar. A maioria dos produtos ali existentes são de origem local. "Nós somos antiglobalização. Até pouco tempo, nem Coca-Cola servíamos, só alimentos de origem blumenauense", conta o gerente.

No museu da Cerveja, que fica em frente ao restaurante, estão expostas peças que pertenceram à antiga cervejaria Feldmann de Blumenau. Há também painéis e diversos utensílios que contam a história e explicam o processo de fabricação da bebida.

Os sabores germânicos continuam. No meio da praça, há um monumento para os imigrantes alemães. Do outro lado da rua, está o mausoléu com os restos mortais do fundador da cidade (leia acima) e de sua família.

De lá, seguindo pela rua 15 de Novembro, tem-se acesso ao comércio local e às construções em estilo enxaimel (casas da época colonial alemã), como o prédio da Secretaria de Turismo e outros cartões-postais da cidade.

Mais adiante, está o teatro Carlos Gomes, o mais importante da cidade. 
Em julho, o Carlos Gomes será sede do Festival Universitário de Teatro de Blumenau, organizado pela Furb - Universidade Regional de Blumenau. 

Neste ano, o evento acontece de 4 a 12 de julho e traz grupos de diversas partes do país e alguns internacionais.

Ainda na 15 de Novembro, a Matriz, uma edificação moderna e sem estátuas, difere dos tradicionais templos católicos.

Para conhecer uma igreja mais típica da colonização alemã, a recomendação é procurar a luterana, na esquina da alameda Duque de Caxias com a rua Amazonas. Inaugurada em 1877, a igreja tem características arquitetônicas em estilo gótico. Atrás do templo, está o cemitério da comunidade luterana, onde se encontram os túmulos de tradicionais famílias blumenauenses, colonizadores e descendentes.

Sotaque espanhol

Apesar do sotaque alemão, Blumenau, aos poucos, aprende a "falar" espanhol. O idioma ganha espaço como a segunda língua estrangeira mais falada ali --pelo menos no centro comercial. De olho do Mercosul, há placas em shoppings indicando "tiendas" (lojas) e "baños" (banheiros).

O comércio, aliás, é uma atração em Blumenau. Sede das principais malharias do país, a cidade tem como principal atividade econômica a indústria. Em primeiro lugar, vem a têxtil (principalmente vestimentas), depois a alimentícia e a metalúrgica.

Aproveite para visitar algumas malharias e conhecer os famosos cristais que também são produzidos na cidade.

Circuito Blumenau - Pomerode

Sentar em um dos restaurantes de comida alemã de Blumenau ou Pomerode é uma das melhores partes da viagem. Muitos, como o Biergarten, de Blumenau, privilegiam as "atrações" locais. Quem quiser seguir à risca o menu, deve optar por pratos como o kassler (costeleta de porco), o eisbein (joelho de porco) e o marreco assado. Os pratos geralmente vêm acompanhados de salsicha branca e vermelha, chucrute e purê. O marreco vem com repolho roxo e purê de maçã.

Para beber, peça o chope Eisenbahn, produzido pela maior microcervejaria de Blumenau, que procura retomar a tradição local de fabricação de cerveja. Quem não bebe álcool pode pedir a laranjinha, refrigerante de laranja típico da região.

Sem aditivos químicos

Fundada há dois anos, a Sudbrack, responsável pela fabricação do chope Eisenbahn (www.eisenbahn.com.br), produz uma linha de cervejas especiais, sem aditivos. A bebida é fabricada apenas com cevada, lúpulo, fermento, água e malte (no caso da cerveja escura), respeitando a Lei Alemã da Pureza de 1516.

Essa lei, promulgada na Baviera pelo duque Guilherme 4º, proíbe o uso de cereais adjuntos, como milho e arroz, e de produtos como estabilizantes e antioxidantes, usados nas grandes cervejarias.

Para cuidar da produção, a fábrica chamou o mestre cervejeiro alemão Gerhard Beutling, que se formou em Weihenstephan, considerada a mais antiga cervejaria do mundo. Na fábrica da cervejaria, na rua Bahia, há um bar com vidros que permitem ao visitante ver os filtros e os barris usados na fabricação da bebida.

Beutling, que também trabalha com a degustação da cerveja, pode ser encontrado no local, tirando as dúvidas dos visitantes sobre a fabricação do líquido. Ele explica, por exemplo, que a diferença entre cerveja e chope está na pasteurização, processo pelo qual passa a cerveja, mas não o chope.

A marca Eisenbahn apresenta quatro tipos de cerveja: pilsen (mais leve, a mais consumida no Brasil), pale ale (com alta fermentação), weitzbier (tradicional cerveja de trigo do sul da Alemanha) e a dunkel (escurecida com malte, sem o uso de caramelo ou corantes). Ela também lançou, há pouco tempo, uma cerveja pilsen feita com matéria-prima orgânica (sem agrotóxicos).

Café colonial

As sobremesas e o café colonial merecem atenção especial na região. Iguarias como cuca e strudel, de sabores variados, adoçam a boca dos visitantes.

A saída é se fartar e depois gastar as calorias adquiridas em passeios a pé, pelas ruas de paralelepípedos cercadas de jardins. Em Blumenau, o café colonial mais tradicional é o do hotel Glória, na rua 7 de Setembro. Em Pomerode, a dica é ir à confeitaria Torten Paradies, na rua 15 de Novembro.

Em Pomerode, o restaurante Wunderwald, na rua Ricardo Bahr, 200, é uma volta ao passado. A sua 
entrada é uma espécie de museu, com objetos originais da época colonial. Além dos pratos já citados acima, o restaurante vende geléias e queijos locais.

Os pratos são servidos por garçons vestidos com trajes típicos alemães ao som de canções alemãs executadas ao vivo. 

Nenhum comentário

Deixe aqui seu recado ou depoimento, de forma anônima se preferir. Respeitamos a sua opinião, por isto recusaremos apenas as mensagens ofensivas e eventuais propagandas. Volte sempre!